Análises

Publicado em 4th agosto, 2017 | by Giuseppe Turchetti

Comments

Planeta dos Macacos: A Guerra

Um dos motivos pelos quais a franquia Planeta dos Macacos continua sendo revitalizada nos cinemas desde a década de 60 é sua capacidade incrível de se manter atual até então. A ânsia da raça humana em dominar a natureza é um dos pilares da trilogia que chega ao fim falando em guerra.

A verdadeira guerra, aliás, fica reservada ao título do longa e seu subtexto complexo e cheio de nuances. Com uma crescente desde Planeta dos Macacos: A Origem (2011), esse é o momento em que os símios tomam o controle total da situação, sendo protagonistas de um filme que reduz o núcleo humano a figurantes sem personalidade ou voz ativa, com exceção do próprio antagonista, o coronel vivido por Woody Harrelson. Nessa inversão de papéis fica clara a pretensão do diretor Matt Reeves, que determina a forma de contar a história do ponto de vista do primata César (Andy Serkis).

Visualizando a obra dentro do escopo geral da trilogia, A Guerra é, certamente, o projeto mais ambicioso dos três filmes. Contendo uma enorme quantidade de referências que vão desde outros clássicos da história, como Apocalypse Now (1979), chegando a mostrar, inclusive, cenas de crucificação e escravidão relacionando a trama com religião, o longa tem intensão de atingir o patamar de épico e se esforça para isso. A captura de movimentos, responsável por dar vida aos macacos, é simplesmente incrível. A tecnologia empregada na construção das faces dos personagens dá aos atores a capacidade de expressar toda a emoção necessária a cada cena. Serkis, que segura a trama nas mãos, entrega um líder sofrido e cheio de camadas morais a serem discutidas. Essa percepção de personagem se deve, principalmente pela atuação diferenciada e dedicada que imprime expressões perfeitas para o símio. Com a ajuda da trilha sonora que permite crescimento das cenas e a bela fotografia que enche a tela com lindos enquadramentos, esse terceiro capítulo de Planeta dos Macacos é, tecnicamente, impecável.

Nessa infinita busca por emular o desfecho perfeito, porém, Reeves talvez tenha se perdido na escolha do enredo. O desenvolvimento de César e sua tribo é completo, compreensível e necessário, mas toda a trama que leva o macaco a chegar em seu objetivo nesse capítulo final parece apenas uma linha de apoio para a aguardada conclusão. O roteiro, ainda que tenha ótimos momentos de inspiração e apresente novos bons personagens, desliza nas motivações e justificativas sem sentido que utiliza para progredir a história. E essa fraqueza dá as caras justamente no ponto fraco da obra: os humanos. O Coronel e sua tropa utilizam seus todos os seus recursos para lutarem por uma causa completamente perdida e subutilizada. Apenas a reviravolta e a fuga dos macacos, a briga pela sobrevivência, têm real valor narrativo.

Fechando a trilogia com sentimento de missão cumprida, Planeta dos Macacos mostra, através de animais ditos como selvagens, o quão primata pode ser a humanidade e sua busca incessante para dominar aquilo que não tem controle.

Tags: , , , , ,


Sobre o Autor

Giuseppe Turchetti

Formado em Ciência da Computação, técnico em Informática, curso de Web Design, empregado no setor de TI como analista de suporte e desenvolvimento e colunista de cinema no jornal Diário de Taubaté. Respiro o universo Geek todo o tempo. Os assuntos abordados pelo Censura Geek fazem parte da minha vida e é de grande satisfação deixar minha opinião aqui. Sou gamer desde a geração Atari, tive muitas HQs na infância, filmes e séries sempre me fizeram companhia. E ainda não conheço um fã de Batman maior que eu!



Voltar para o Topo ↑
  • Curta o Censura Geek!

  • Posts Recentes

    Annabelle 2: A Criação do Mal

    Annabelle 2: A Criação do Mal

    Após a forte estreia de Invocação do Mal (2013), que revitalizou o gênero de terror no cinema graças[...]
    Valerian e a Cidade dos Mil Planetas

    Valerian e a Cidade dos Mil Planetas

    Carregando a alcunha de um dos filmes mais caros já produzidos fora dos EUA na história do cinema, a[...]
    Dunkirk

    Dunkirk

    Christopher Nolan é, sem dúvidas, um dos mais badalados diretores desse século. Sozinho, apenas seu [...]
    Em Ritmo de Fuga

    Em Ritmo de Fuga

    Passando por constante evolução na maneira de se mesclar com outros subgêneros, o gênero de ação é u[...]
    Transformers: O Último Cavaleiro

    Transformers: O Último Cavaleiro

    Eis que, sem ninguém pedir e com quase ninguém se importando, chegamos ao quinto filme de Transforme[...]
  • Palavra NERD
    Pixelstree
  • Anúncios