Análises

Publicado em 23rd fevereiro, 2018 | by Giuseppe Turchetti

Comments

Pequena Grande Vida

Aqueles que tiveram o privilégio de viver o início dos anos 90 certamente lembram de Querida, Encolhi as Crianças, lançado em 1989. A comparação com Pequena Grande Vida é inevitável do ponto de vista da ideia inicial dos longas: encolher seres humanos. As semelhanças, porém, ficam por aí e as premissas se mostram completamente diferentes e atuais no mais recente.

Dirigido por Alexander Payne, que conquistou seu lugar abaixo dos holofotes por Nebraska (2013), o filme chega às telas com certa expectativa gerada não só pelos nomes envolvidos no projeto, mas também pelo trailer que oferece uma experiência, no mínimo, interessante. A ideia é simples e criativa: diminuir os seres humanos para cerca de 12 centímetros de altura e, dessa forma, reduzir todo o custo de vida na Terra, economizando recursos naturais e, consequentemente, salvando o planeta. O conceito criado a partir disso mostra-se muito promissor, gerando todo um novo universo reduzido com novas possibilidades, uma nova sociedade e, como era de se esperar, novos problemas e questões sobre a relação dos adeptos a redução com o resto dos humanos “normais”. Destaque para a cena detalhada do processo de miniaturização do protagonista Paul Safranek (Matt Damon), orquestrada de forma inteligente pelo diretor, aprofundada por uma trilha clássica e elegante. Infelizmente, toda essa parcela inovadora é deixada de lado antes da metade de longa.

A impressão que fica é de que o filme mostrado nos trailers se encerra com aproximadamente 40 minutos e, depois de exaurir as boas ideias, passa a se tratar de outras temáticas onde a vertente (que deveria ser) principal acaba irrelevante. O roteiro pouco inspirado esquece dos plot inicial sobre a redução de tamanho e se perde junto ao personagem principal que, sem rumo na vida, parece à deriva. Até mesmo o carismático Matt Damon, capaz de carregar filmes nas costas como evidenciado em Perdido em Marte (2015), não consegue conquistar a empatia do público, deixando ainda mais clara a fraqueza do roteiro. Outros problemas como estrutura narrativa ruim e montagem desajustada reforçam a sensação de desconexão entre os arcos dramáticos presentes no longa.

A tentativa dos roteiristas em levar a discussão para um questionamento ecológico e responsável é até válida, mas os argumentos são péssimos e não levam a lugar nenhum, forçando o público a se perguntar várias vezes qual seria o verdadeiro tema central do filme. Passando por drama pessoal, profissional, desilusões amorosas, novas amizades e novos propósitos para a vida (algumas vezes), a história se mostra pretensiosa demais e pouco polida, mal desenvolvida. Salvam-se, além dos conceitos interessantes, os personagens que servem bem a trama como alívios cômicos, caso de Dusan, vivido por Christoph Waltz, e Ngoc Lan Tran, de Hong Chau, que conseguem risos tímidos, porém sinceros.

Dando exemplo de que nem toda boa ideia transforma-se em um bom filme, Pequena Grande Vida (Downsizing, no original) consegue prender a atenção dos espectadores por criar conceitos interessantes, mas acaba desperdiçando a chance de contar uma boa história a partir deles.

Tags: , , , , ,


Sobre o Autor

Giuseppe Turchetti

Formado em Ciência da Computação, técnico em Informática, curso de Web Design, empregado no setor de TI como analista de suporte e desenvolvimento e colunista de cinema no jornal Diário de Taubaté. Respiro o universo Geek todo o tempo. Os assuntos abordados pelo Censura Geek fazem parte da minha vida e é de grande satisfação deixar minha opinião aqui. Sou gamer desde a geração Atari, tive muitas HQs na infância, filmes e séries sempre me fizeram companhia. E ainda não conheço um fã de Batman maior que eu!



Voltar para o Topo ↑
  • Curta o Censura Geek!

  • Posts Recentes

    O Primeiro Homem

    O Primeiro Homem

    O último quarto de todo ano é sempre recheado de filmes que aspiram conquistar um lugar na memória d[...]
    Nasce Uma Estrela

    Nasce Uma Estrela

    Certas histórias são tão clássicas que se tornam queridinhas de Hollywood. Quando atingem esse statu[...]
    Um Pequeno Favor

    Um Pequeno Favor

    No clássico início da popularização do cinema, as obras carregavam consigo alcunhas que determinavam[...]
    O Mistério do Relógio na Parede

    O Mistério do Relógio na Parede

    Não é todo dia que vemos uma obra destinada ao público infantil conter leves traços do gênero de ter[...]
    O Predador

    O Predador

    Após 31 anos da estreia da franquia nos cinemas, mas “apenas” 8 anos depois do último filme solo do [...]
  • Palavra NERD
    Pixelstree
  • Anúncios