Há 2 anos o famigerado mercenário tagarela chegava às telas com uma aventura solo que trazia uma nebulosa desconfiança acerca de sua qualidade, visto que sua aparição anterior, em X-Men: Origens – Wolverine, foi um fracasso. Traumas superados, a sequência óbvia já chega aos cinemas brasileiros causando polêmica sendo proibida para menores de 18 anos.

A receita para essa continuação é simples: basta pegar todos os elementos que funcionaram no anterior e trazer de volta. Bem como novas piadas e uma história que leve nossos personagens a um desenvolvimento, mínimo que seja. Embora tamanha simplicidade, Deadpool 2 se mostra preocupado em dar seu melhor dentro da fórmula estipulada e não economiza nas gracinhas. O filme é uma metralhadora de piadas e referências a cultura pop, não apenas descarregando qualquer coisa sobre o público, mas escolhendo bem os assuntos aos que faz paródias. Ryan Reynolds, provando mais uma vez que está no papel da sua vida, é creditado também como roteirista e fica clara sua identificação com o personagem. O protagonista brilha e carrega o filme nas costas enquanto se diverte como nunca na tela.

Fazer humor é uma arte extremamente relativa, afinal cada pessoa tem seu próprio senso de achar graça. Partindo, porém, do pressuposto de identificação com o primeiro Deadpool, a diversão com essa nova aventura é garantida. As risadas acompanham o longa do início ao fim, mesclando momentos de boas sacadas, situações ridículas ou absurdas, fisicalidades ou as já citadas referências que, diga-se, são sempre inteligentes e fazem ótimas ligações tanto com o universo da música quanto com outras franquias famosas do cinema, entre outras coisas. Nesse âmbito, a sequência consegue atingir o feito de ser maior e superar o original de 2016.

Imerso na proposta do filme, a única ressalva possível fica por conta do roteiro. É clara a despreocupação com um maior polimento da história, inclusive criticada pelo próprio personagem algumas vezes durante a projeção, mesmo que seja mais uma forma de piada. A narrativa é boa e consegue manter os espectadores fiéis a trama, só não mascara a pobreza de alguns aspectos essenciais como a falta de profundidade de alguns coadjuvantes. Morena Baccarin é um exemplo de redução de espaço na trama, ficando subutilizada. A maior decepção, entretanto, é o esperado Cable, vivido por Josh Brolin. Seu viajante do futuro é unidimensional, tem quase nenhuma história de fundo e pouco acrescenta realmente, ainda que tenha uma boa caracterização e boas cenas de ação.

Trazendo muita violência, palavrões, tiradas sensacionais e cenas viscerais, Deadpool 2 não é sinônimo de inovação como seu predecessor, mas certamente é tão bom quanto. Muito disso graças ao diretor David Leitch, ótimo em filmar ação como já mostrado em John Wick e Atômica. Impossível não mencionar, também, que a abertura no melhor estilo 007 e a cena pós créditos são umas das coisas mais legais dos últimos tempos. Meio a tantos filmes de super heróis que procuram pela mesmice, o mutante imortal faz valer cada minuto das quase duas horas de um respiro de ar puro nesse universo cinematográfico.

Comentários

Formado em Ciência da Computação, técnico em Informática, analista de suporte, colunista de cinema no jornal Diário de Taubaté e administrador do site Censura Geek. Respiro o universo Geek todo o tempo. E ainda não conheço um fã de Batman maior que eu!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.