Análises

Publicado em 18th agosto, 2017 | by Giuseppe Turchetti

Comments

Annabelle 2: A Criação do Mal

Após a forte estreia de Invocação do Mal (2013), que revitalizou o gênero de terror no cinema graças a visão do diretor James Wan, era natural se esperar que a produtora beberia muito mais dessa fonte de dinheiro. Assim nasceu o spin-off Annabelle que, devido ao sucesso, deixou de ser apenas um derivado para ganhar escopo de universo expandido da franquia.

Apesar de o título brasileiro carregar o número 2, indicando uma continuação do primeiro, no original temos apenas Annabelle: Creation, indicando melhor a trama de prelúdio do longa. A ideia é contar a origem da boneca amaldiçoada mostrando o que levou a sua possessão. O que, de fato, é rapidamente mostrado, já que o verdadeiro foco fica nas personagens que conduzem o filme.

Na história, a família dos Mullins sofre com a trágica perda da filha, Annabelle e, após 12 anos de luto, resolve abrigar em sua casa as órfãs de um orfanato da cidade. As personagens são rasas e se apoiam em personalidades pré-determinadas pelos clichês cinematográficos para terem desenvolvimento menos elaborado em tela, o que acaba sendo um padrão em filmes de terror/susto. O primeiro ato do longa tem uma ótima apresentação de atmosfera construída pelo diretor David. F. Sandberg, utilizando uma fotografia muito bem executada que, com eficiência e muitos elementos em cena, é responsável pela criação da tensão primária, naqueles momentos em que ainda não sabemos quando as coisas vão, realmente, acontecer.

E quando as coisas acontecem… A decepção acompanha. O desenrolar da história é altamente previsível, tornando o roteiro apenas uma narrativa para justificar as várias cenas de susto sucessivas que, a propósito, ficam demarcadas demais pela trilha sonora, ou ausência dela, indicando exatamente quando podemos esperar pelos famosos jump scares – momentos em que, de repente, algo aparece em tela acompanhado de um barulho ensurdecedor).

Mostrando-se como um horror clássico, que se apoia no visual, com cenas fortes para gerar medo ao invés de apostar em um terror mais psicológico, o filme é uma evolução se comparado com a primeira história da boneca no longa anterior. Ainda assim, deixa de lado vários personagens da trama que ficam esquecidos até que seja conveniente para o roteiro reapresenta-los. O que fica é, apenas, a sensação de uma premissa com boa vontade de entregar sustos no cinema, porém sem força para durar muito tempo na cabeça dos espectadores após fim da projeção.

Tags: , , , ,


Sobre o Autor

Giuseppe Turchetti

Formado em Ciência da Computação, técnico em Informática, curso de Web Design, empregado no setor de TI como analista de suporte e desenvolvimento e colunista de cinema no jornal Diário de Taubaté. Respiro o universo Geek todo o tempo. Os assuntos abordados pelo Censura Geek fazem parte da minha vida e é de grande satisfação deixar minha opinião aqui. Sou gamer desde a geração Atari, tive muitas HQs na infância, filmes e séries sempre me fizeram companhia. E ainda não conheço um fã de Batman maior que eu!



Voltar para o Topo ↑
  • Curta o Censura Geek!

  • Posts Recentes

    Pequena Grande Vida

    Pequena Grande Vida

    Aqueles que tiveram o privilégio de viver o início dos anos 90 certamente lembram de Querida, Encolh[...]
    Pantera Negra

    Pantera Negra

    Apesar de ter dado as caras pela primeira vez em Capitão América: Guerra Civil (2016), essa é a hora[...]
    Cinquenta Tons de Liberdade

    Cinquenta Tons de Liberdade

    Chegando aos cinemas oportunamente devido ao sucesso literário, a série de histórias apimentadas Cin[...]
    Todo o Dinheiro do Mundo

    Todo o Dinheiro do Mundo

    Uma das famílias mais ricas do século passado e, possivelmente, o primeiro homem a atingir a fortuna[...]
    Maze Runner: A Cura Mortal

    Maze Runner: A Cura Mortal

    Surpreendentemente chega ao fim uma série de filmes adolescentes que não optou por expandir sua vida[...]
  • Palavra NERD
    Pixelstree
  • Anúncios