Análises

Publicado em 25th agosto, 2017 | by Giuseppe Turchetti

Comments

A Torre Negra

Sendo uma das obras mais elaboradas da carreira do grande escritor Stephen King, A Torre Negra conta com mais de 4 mil páginas escritas com uma riquíssima história cheia de detalhes que criam um multiverso do autor em uma série de livros. O desafio, então, fica por conta de criar uma adaptação de tamanha complexidade em apenas 95 minutos de tela.

A premissa logo desperta interesse. Uma torre, que dá nome ao filme, é o centro e a proteção de infinitos universos que vão da Terra em que conhecemos, até mundos de faroeste, monstros horripilantes e robôs gigantes. Assim como a quantidade de mundos, as possibilidades são ilimitadas, bem como o longa insinua em seu início promissor. Mesmo sendo uma mistura de resumo e continuação dos livros de King, a história começa dando um bom escopo da situação geral e foca a apresentação em Jake (Tom Taylor), garoto do nosso mundo que tem sonhos com a Torre, bem como com o seu guardião e com o antagonista da trama.

A medida que os conceitos são apresentados, a trama vai se desenhando. Algumas noções são dadas com rápidas pinceladas, já as mais importantes para o seguimento do roteiro são exploradas mais a fundo. Infelizmente, fica a impressão de que a escolha para tal separação sobre o que é importante ou irrelevante acaba deixando de fora muitas concepções que atrairiam mais o público, optando pelo aprofundamento do básico, do genérico. O roteiro, sem complexidade alguma, opta por soluções simples para suas problemáticas que parecem apenas servir para direcionar a história para o ato final.

O garoto Jake funciona bem como condutor da trama e tem um arco mais bem desenvolvido. Já os personagens de Idris Elba e Matthew McConaughey são os menos aprofundados. As atuações são boas e cumprem seus papéis, mesmo com a canastrice de McConaughey e seu Homem de Preto. O roteiro, porém, os coloca como clássicos personagens dicotômicos, verdadeiras encarnações do bem e do mal, antagonistas perfeitos, sem espaço para camadas de personalidade que ajudem a criar empatia. Dessa forma, ao invés de apresentar crescimento evolutivo, o filme acaba, mais uma vez, optando pela simplicidade do comum, generalizando seus conceitos em boas cenas de tiroteio com o Pistoleiro de Elba, mas com efeitos visuais nem sempre atrativos. A falta de uma identidade visual e narrativa, como era esperada com as promessas do próspero início, causa certa desconexão emocional ao final.

Com tantas possibilidades e contando com a riqueza dos livros, A Torre Negra abre mão de seu grande potencial apostando em cenas e, principalmente diálogos, sem inspiração, visual preguiçoso e amontoados de bons conceitos mal explorados. É leve e divertido, mas sem força para ser lembrado em listas de filme de ação ou fantasia.

Tags: , , , ,


Sobre o Autor

Giuseppe Turchetti

Formado em Ciência da Computação, técnico em Informática, curso de Web Design, empregado no setor de TI como analista de suporte e desenvolvimento e colunista de cinema no jornal Diário de Taubaté. Respiro o universo Geek todo o tempo. Os assuntos abordados pelo Censura Geek fazem parte da minha vida e é de grande satisfação deixar minha opinião aqui. Sou gamer desde a geração Atari, tive muitas HQs na infância, filmes e séries sempre me fizeram companhia. E ainda não conheço um fã de Batman maior que eu!



Voltar para o Topo ↑
  • Curta o Censura Geek!

  • Posts Recentes

    Blade Runner 2049

    Blade Runner 2049

    A máquina de franquias hollywoodiana, dessa vez, voltou 35 anos no tempo para resgatar um clássico c[...]
    Kingman - O Círculo Dourado

    Kingman - O Círculo Dourado

    Famoso por não participar de continuações, nem o diretor Matthew Vaughn resistiu ao charme e a elegâ[...]
    Mãe!

    Mãe!

    Esse não é um filme para todos. E essa é frase que mais se encontra quando o assunto é o novo filme [...]
    Feito na América

    Feito na América

    A julgar pelo trailer de Feito na América, em que vemos Tom Cruise dando vida a um personagem espert[...]
    Atômica

    Atômica

    Fim dos anos 80, Guerra Fria, espionagem e Charlize Theron. Os elementos que compõem Atômica já fala[...]
  • Palavra NERD
    Pixelstree
  • Anúncios