Velozes & Furiosos 7

Velozes & Furiosos 7

Chegando a incrível marca de sete filmes, uma das franquias mais queridas da história do cinema, desta vez, além de ter que lutar contra o próprio desgaste da longa série, precisa se despedir de um de seus mais icônicos personagens. Triste despedida, sim. Mas calma. Quem foi que falou em desgaste?!

Tornando a palavra reinvenção cada vez mais propriedade da série, Furious 7 (no original), continua sua forma surpreendente de evoluir a cada novo capítulo lançado. Mergulhando de vez nos ares de sequências de ação absurdas (de forma bem literal, inclusive), o filme não tem medo de transparecer sua liberdade criativa quando se diz respeito a cenas inacreditáveis e/ou impossíveis. Essa característica de filme pipoca, por sua vez, funciona tão organicamente dentro do universo das corridas e assaltos que eles mesmos criaram que, embora todo o público já espere soluções totalmente ilógicas, ainda é realmente empolgante assistir tais momentos isentos de razão ou física, porém repletos de emoção e carisma trazidos pela família que acompanhamos por tanto tempo.

furious-7-scene

A família, por sinal, junto dos carrões e velocidade, é outro tema recorrente do longa. Como não podia ser diferente, Dominic Toretto (Vin Diesel) e todos os outros dão a merecida ênfase ao convívio familiar e a importância disso para o crescimento e amadurecimento da trama. Com essa abordagem, todo o filme ganhou uma áurea de homenagem ao falecido Paul Walker. A maneira que o diretor James Wan encontrou para expor, com toda a regularidade alcançada, tanto a ação quanto a emoção certas, na dose perfeita, fez desse Velozes & Furiosos, de longe, o mais balanceado da franquia. Todos os personagens recebem o tempo de tela ideal para se desenvolverem, se colocarem no enredo. Os costumeiros alívios cômicos entram nas horas certas, ajudando o roteiro a se manter estável, sem forçar piadas desnecessárias.

Mesmo que carregue um roteiro sem tanta criatividade, com alguns clichês como a vingança do vilão Ian Shaw (Jason Statham), o mérito é todo do elenco que segura as pontas da projeção e não deixa que o filme caia na mesmice ou chatice em momento algum, utilizando de uma química digna de outras super (ou nem tão super) equipes do cinema. Vale destacar, ainda, as participações especiais de Dwayne “The Rock” Johnson, a lutadora do UFC Ronda Rousey e Kut Russell. Essa equipe foi capaz de, unidos, destruir a cidade em níveis de verdadeiros desastres capazes de deixar qualquer Vingador ou homem de aço com inveja.

Furious 7

Pode-se dizer que Velozes & Furiosos 7 reuniu o melhor de cada história que construiu ao longo desses anos e, com esperteza, ainda conseguiu amarrar as pontas soltas da história, um tanto paralela, que tinha sido criada no terceiro filme. De forma coesa e competente, a emocionante despedida a Brian O’Conner fez jus ao personagem e a Walker, dando a Vin Diesel o difícil fardo de, com suas frases fortes de efeito, deixar seu “irmão” para trás e seguir sua jornada solitário, ainda sentindo que Brian estará sempre por perto.

Fast-Furious-7-Brian-and-Mia-Final-Scene

Giuseppe Turchetti

Formado em Ciência da Computação, técnico em Informática, analista de suporte, colunista de cinema no jornal Diário de Taubaté e administrador do Censura Geek. Respiro o universo Geek todo o tempo. E ainda não conheço um fã de Batman maior que eu!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *