Grandes Olhos

Grandes Olhos

Filme sobre a biografia de Margaret Keane traz um dos melhores filmes de Tim Burton nos últimos anos.

Por trás de um grande homem, sempre há uma grande mulher, nunca um ditado popular fez tanto sentido ao assistir Big Eyes, no original, ou pelo menos tirando a parte do “grande homem”. Dirigido por Tim Burton, o longa conta a história real de Margaret Ulbrich (Amy Adams), uma mãe solteira que após o divórcio decide mudar-se com a filha para São Francisco na década de 50, época em que o machismo e o conceito de mulher independente eram vistos de forma preconceituosa para os americanos. Margaret não é uma artista qualquer, visto que passou a maior parte do seu casamento dentro de casa cuidando de sua filha e pintando apenas quadros de crianças com expressões tristes e o principal diferencial de suas pinturas: os olhos das crianças eram grandes e assustadores.

cutscene1
Uma das pinturas criadas por Margaret Keane, os grandes olhos são o destaque de todas suas pinturas.

“Por que esses olhos tão grandes?” “Ah… Acredito que dá para ver muitas coisas nos olhos, eles são as janelas da alma” é a justificativa de Margaret Ulbrich ao conhecer Walter Keane (Christoph Waltz) que se diz um grande pintor que estudou em Paris e voltou para os Estados Unidos para tornar-se um famoso artista na América.

Para não perder a guarda de sua filha para o pai, Margaret se casa precocemente com Walter, podendo, assim, ficar com sua filha. Após o casamento, precisando de dinheiro para sobreviverem, Walter percebe que Margaret tem um talento brilhante e seus quadros podem render muito dinheiro e, sendo assim, os dois realizam um acordo: Margaret cria as pintura e coloca os créditos para seu marido, onde o mesmo passa a noite tentando vender os quadros na Hungry I, famosa boate da cidade na época. Ao passar do tempo, os quadros se tornam um sucesso de vendas e Walter Keane é contemplado no mundo inteiro por ser o artista que revolucionou a arte com os famosos olhos grandes das pobres crianças, do outro lado da moeda, Margaret passa a viver trancada em sua casa escondendo o maior segredo de sua vida até mesmo para sua filha: a artista do momento não é seu marido e sim ela mesma.

Com o roteiro de Scott Alexander e Larry Karaszewski, o filme mostra de forma realista e dolorosa o sofrimento de Margaret Keane por não ser reconhecida como a verdadeira artista dos seus próprios quadros, principalmente com a incrível atuação de Amy Adams, que trás a verdadeira essência dramática ao filme onde a maioria das suas cenas faz com que o longa tenha quase um tom de uma novela da época, retratando o vilão e a mocinha. Já a atuação de Christoph Waltz é o que incomoda em boa parte do filme, com expressões forçadas o ator não convence fazendo com que a presença de Amy Adams e a grande visão do diretor Tim Burton sejam fundamentais para que Grandes Olhos seja um dos principais filmes esquecidos pela Academia para o Oscar deste ano.

Em um filme que Tim Burton acerta em quase tudo, principalmente na Trilha Sonora que fez falta entre os indicados ao Oscar na categoria e na atuação exepcional de Amy Adams, Burton deixa as suas principais “manias” de lado e trás um de seus melhores filmes nos últimos anos, vale destacar que Burton é um grande apreciador dos quadros de Margaret Keane, fazendo com que a presença do diretor por trás das câmeras seja o fator fundamental para o filme decorar a estante de Tim Burton como um dos seus melhores trabalhos nos últimos tempos.

 

Matheus Dias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *