Guardiões da Galáxia

Guardiões da Galáxia

Guardians Of The Galaxy posterDepois de apresentar ao público cinematográfico, em vários filmes solos, os personagens de alto escalão da empresa, culminando, mais tarde, no aclamado Os Vingadores, o Estúdio Marvel decide apostar no seu bom momento e arriscar a sua cartada mais ousada. Escalar para uma de suas mega produções uma equipe totalmente desconhecida pela maioria, cheia de alienígenas e seres no mínimo estranhos, além de, mesmo que levemente nessa primeira aparição, integrá-los ao mesmo universo dos outros heróis estabelecidos parecia abusado demais até mesmo para a casa das ideias. Bem, parecia.

Peter Quill, que gosta de ser chamado de Star Lord (Chris Pratt), Gamora (Zoë Saldana), Drax (Dave Bautista), Rocket Raccoon (Bradley Cooper) e Groot (Vin Diesel) são seres de espécie diferentes e seus contrastes não param por aí.  Cada um com sua própria história de problemas familiares, personalidade forte e motivos suficientes para desejar a morte de Ronan, O Acusador (Lee Pace). Com essas características, é fácil prever o início turbulento, a necessidade que cada um desenvolve para o resto da equipe e, finalmente, a integração total e aceitação do time. É aí que a genialidade do diretor James Gunn faz a diferença. Com escopo padrão de filmes de equipes, a previsibilidade é esquecida graças ao carisma e química entre personagens, além, é claro, do bom humor dosado com perfeição.

Com a introdução do natureza alienígena em Os Vingadores, Guardiões da Galáxia não tem pretensão de explicar nada, mas muito mais que isso. O longa expande o universo dos anteriores, permite uma infinidade de possibilidades futuras e acrescenta importantes elementos que interligam as tramas. Mais que uma aposta da Marvel, a equipe, que tem um guaxinim falante e uma árvore de poucas palavras, mostra fazer parte dos planos mais ambiciosos do estúdio.

A necessidade de inserir alívios cômicos em todos os filmes, que caracteriza a Marvel, já foi responsável também por ser ponto fraco de alguns títulos, como Homem de Ferro 3. Dessa vez, ao menos, toda a trama tem traços satíricos assumidamente fortes, tornando Guardiões da Galáxia o filme com maior influência de comédia da casa das ideias atualmente. E funciona! Piadas, ótimas referências, a interação do time e o já citado carisma dos personagens são fatores que conseguem, realmente, cair na graça do público ao longo de toda a projeção. Sem dúvidas, Rocket e toda sua eloquência chamam a atenção e são motivos de muitas risadas, porém, quem diria, Groot e suas únicas três palavras roubam a cena. A entonação de suas falas passam toda a emoção que uma árvore humanoide deveria ter. Se é que deveria.

GotG__Rocket_Groot

O tom acelerado da ação traz lutas bem coreografadas e cenas de perseguição de naves entre várias espécies dos cantos do universo, o que causa, inegavelmente, uma sadia comparação com o maior clássico do gênero: Star Wars. Com efeitos visuais e computação gráfica competentes, principalmente pela caracterização dos personagens totalmente criados em computador, este é apenas mais um quesito técnico de destaque. Outro, impecável, fica por conta da trilha sonora inspiradíssima que não só é responsável por preencher o background das cenas, entretanto é elemento pertinente na condução do contexto.

Do começo da campanha de marketing, sem grandes expectativas, para uma estreia badalada, com cinemas cheios, Guardiões da Galáxia provou que de arriscado não tem nada. É a prova (financeira, inclusive) de um excelente planejamento a longo prazo. Não é perfeito, tem roteiro um tanto prático demais, sem grandes elaborações, mas tem seu valor por ser um dos mais bem fechados, executados e sem pontas soltas ou furos. Já tendo a continuação garantida, resta-nos aguardar ansiosos pela segunda aventura da equipe mais louca do cenário cinematográfico atual.

Giuseppe Turchetti

Formado em Ciência da Computação, técnico em Informática, analista de suporte, colunista de cinema no jornal Diário de Taubaté e administrador do Censura Geek. Respiro o universo Geek todo o tempo. E ainda não conheço um fã de Batman maior que eu!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *