Godzilla

Godzilla

Após anos afastados das telas do cinema, Godzilla retornou em um novo filme para tentar recuperar seu lugar como o rei dos monstros e, apesar de alguns deslizes, consegue causar grande impacto nas bilheterias.

O filme tem um começo interessante quando Joe Brody (Bryan Cranston) perde sua mulher em um acidente numa usina nuclear japonesa, onde ambos trabalhavam. Após 15 anos, Joe não superou a morte de sua esposa e acredita que haja algo por trás da catástrofe no passado e acaba arrastando seu filho, Ford Brody (Aaron Taylor-Johnson), um militar especialista em explosivos, para a investigação. Juntos, descobrem a existência de seres mais poderosos e antigos do que podem imaginar.

godzilla-bryan-cranston-aaron-tayor-johnson-636-380

Apesar do bom começo graças a excelente atuação de Cranston, o filme logo fica tedioso quando o foco vai para Ford, tentando, em vão, criar alguma empatia com o personagem, que luta para tentar encontrar sua esposa e filho enquanto observa o rastro de destruição causado pelos monstros. As cenas onde se consegue observar as criaturas e os fragmentos de suas lutas são a única coisa que tornam suportável o andamento do filme. O monstro que dá nome ao longa e deveria ser o protagonista acaba se tornando um coadjuvante e só consegue fazer uma aparição real e marcante nos momentos finais da projeção.

Apesar da metade entediante e arrastada do longa-metragem, a situação melhora, e muito, quando Godzilla realmente tem o seu foco e podemos ver o motivo pelo qual pagamos o ingresso no cinema: criaturas em proporções titânicas se digladiando em meio a uma metrópole devastada, enquanto os seres humanos podem apenas assistir sem terem muito o que fazer. Nessa etapa o combate é empolgante o bastante para fazê-lo urrar a cada golpe desferido e até mesmo esquecer o tédio sentido meia hora atrás.

GODZILLA

Com um começo que prende sua atenção e um final extremamente empolgante, Godzilla poderia ter sido muito maior se não tivesse tentado empurrar personagens chatos, que não nos importamos, goela abaixo. Apesar dessas falhas, o filme ainda tem o seu valor, especialmente se for um fã do lagartão titânico que, graças ao sucesso nas bilheterias, já tem um próximo filme garantido. Agora vamos torcer para que dessa vez tenhamos mais batalhas empolgantes entre criaturas gigantes e a devida atenção que o Rei dos Monstros merece.

Leonardo Belisqui

Um comentário em “Godzilla

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *