Django Livre

TopoQuentin Tarantino é um verdadeiro cinéfilo. Talvez por ter trabalho em uma locadora, assistiu filmes dos mais diversos gêneros e o se tornar diretor trouxe essa diversidade para suas obras. Após Reservoir Dogs (1992), sua carreira como diretor deslanchou. Pulp Fiction (1994), Kill Bill 1 e 2 (2003 e 2004, respectivamente), Death Proof (2007) e o mais recente, Bastardos Inglórios (2009) são obras aclamadas de Tarantino.

Em Django Livre (2012)Tarantino resolveu repetir a fórmula certeira de Bastardos Inglórios: pegar um fato histórico e reescreve-lo da maneira que desejar. A trama se desenrola no período de escravidão dos negros e gira em torno de Django (Jamie Foxx) marido de Broomhilda von Shaft (Kerry Washington) que encontra a chance de resgatar sua esposa da escravidão na fazenda de Calvin Candie (Leonardo DiCaprio) quando o caçador de recompensas Dr. King Schultz (Christoph Waltz) o compra de seus donos em uma típica cena tarantinesca – com bastante violência.

É interessante o modo como a película conseguiu mostrar o lado mais baixo do ser humano e como o racismo estava intrínseco na sociedade da época, um exemplo bem forte disso são as cenas do personagem de Samuel L. Jackson, um escravo liberto que é o mais racista de toda a narrativa. Outro alívio cômico interessante é a cena em que vários homens reclamam do desconforto em usar uma máscara típica da famigerada e intolerante Ku Klux Klan.

A fotografia de Django Livre é incrível – não havia como ser o contrário, já que Tarantino é amante assumido de um bom Western – a ambientação nos leva direto para o período dos grandes fazendeiros e da escravidão. A trilha sonora é bem características dos filmes do gênero: músicas típicas de saloons, a música tema “Django” é de tirar o fôlego e como não podia faltar, a ousadia de Quentin Tarantino é tanta que até um rap está presente em uma curta cena do filme.

Treinado pelo Dr. King Schultz, Django vira uma verdadeiro pistoleiro de Western e um bom caçador de recompensas e a partir desse momento a violência  – que já não era pouca – torna-se gratuita. Como já era de se esperar, a agressividade vai desde as torturas e chicotadas contra os escravos até os buracos de bala e o sangue jorrando dos corpos abatidos por Schultz e Django.

Django Livre é um filme sensacional, porém algumas escolhas do diretor deixam a desejar, como as cenas em que Broomhilda aparece para Django, porém apesar do clima pesado de vingança e repleto de selvageria, Tarantino encaixou alívios cômicos nos momentos certos – talvez alguns até passem um pouco do limite.

O primeiro Western de Quentin Tarantino faturou 2 Oscars (Melhor Roteiro Original e Melhor Ator Co-adjuvante: Christoph Waltz), além de ter outros 28 prêmios e 53 nomeações.

Adan Santos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *