Arrow chega ao fim da primeira temporada

Arrow chega ao fim da primeira temporada

Após 7 meses atingindo bons níveis de audiência no canal CW, a série Arrow, que conta a história do surgimento de um velho conhecido dos quadrinhos da DC, o Arqueiro Verde (Green Arrow), chega ao 23º e último episódio da temporada de abertura. No início do seriado, o Censura Geek fez seus comentários analisando o princípio de tudo, como pode ser conferido clicando aqui, mas o assunto agora é outro: Será que Arrow se manteve bem por toda essa temporada?

Para começo de conversa, agora que temos a temporada completa, podemos reafirmar alguns tópicos já discutidos na análise inicial da série. Se preocupando em trazer consigo não só as aventuras de Oliver Queen, o Arqueiro Verde, a série mostra enorme cuidado em apresentar também todo um universo já estabelecido pela DC Comics nos quadrinhos. Isto é perceptível desde pequenos Easter Eggs durante os episódios, como a máscara do personagem Deathstroke na praia no primeiro episódio e o avião da Air Ferris (empresa aérea que Hal Jordan trabalha no filme do Lanterna Verde) no último. Além dos detalhes, muitos personagens dos quadrinhos fazem parte da história do herói.

E por nas aparições famosas – ou das nem tanto – na série, elas merecem um parágrafo próprio, dois talvez. Oliver Queen (Stephen Amell) veio para as telas da TV muito bem acompanhado até o momento. Figurando os personagens dos quadrinhos menos conhecidos pelas massas, desde o primeiro episódio temos o par romântico do herói Dinah “Laurel” Lance (Katie Cassidy) que, muito provavelmente, poderá se tornar a Black Canary (Canário Negro) dos quadrinhos. Huntress, A Caçadora (Jessica De Gouw), também já havia dado o ar da graça no início, mas volta para atormentar a história no 17º episódio e apimentar as coisas. Em contrapartida, atingindo a maioria dos fãs da DC, Slade Wilson, o temido Deathstroke dos quadrinhos, vivido pelo ator Manu Bennett, tem participação em quase todos os flashbacks presentes o tempo todo. Também nos flashbacks mais recentes, Shado (Jade Celina), importante nos quadrinhos, mostra suas habilidade com o arco.

Vilões como Deadshot, China White e Firefly têm pontas importantes, porém em poucos episódios. Já o Dark Archer (John Barrowman) rouba a cena e dá boas surras em Oliver. Por último, deixei para maior destaque o recém-integrado Roy Harper (Colton Haynes). Jovem, esperto, habilidoso nas brigas e rápido como um gato, ser ladrãozinho é apenas um dos modos que encontrou para sobreviver. Após ter a vida salva pelo herói encapuzado, Roy se vê no dever de encontra-se com o arqueiro, agradecer pelo ato heroico e se oferecer para combater o crime ao lado dele. Aos conhecedores dos quadrinhos, Roy Harper é o nome do herói Speedy (que em português, ganhou o nome de Ricardito, conhecido pelo desenho Teen Titans), um ex-morador de rua que é treinado por Oliver. Assim fica fácil imaginar como isso se sucederá nas próximas temporadas, não é mesmo?

Dinah "Laurel" Lance

Arrow manteve-se pela temporada com uma trama séria, sem assuntos irrelevantes, em que tudo estava conectado com o tema principal. Traições, crimes, mortes. Tudo faz parte de uma cidade corrompida pela ganância da classe alta. Grande parte deste mérito se dá a atuação dos atores somada ao excelente trabalho de construção de personagens do roteiro, cujos quais tiveram ótimo desenvolvimento, apresentam claramente suas características emocionais e mudanças ao decorrer da história.

É válido dizer que a série conta com um certo “realismo controlado”, que, obviamente, ganha características fantasiosas para favorecer o Arqueiro Verde, sempre sendo mais forte e inteligente que seus rivais, escapando das mais diversas situações. Tais aspectos são imprescindíveis para um conto de herói de HQs.

Season Finale – O melhor episódio

O fato é: chegamos ao fim desta temporada e o tão aguardado episódio final não poderia ter sido melhor. É isso mesmo. Há tempos eu não via um Season Finale tão emocionante quanto em Arrow que, com o perdão da comparação, deixou muitos finais de temporada de Smallville no chinelo.

A começar pela trilha sonora impossível de não ser percebida. É realmente notável o esmero que tiveram em envolver os espectadores neste episódio. As músicas, dignas de filmes do Batman, imergem totalmente às cenas. A centralização das pontas soltas das complicações causa ansiedade e amarra de forma igualmente envolvente. Isso sem mencionar que, logo nos minutos iniciais, Oliver luta no maior estilo Kratos, de God of War, com correntes presas nos braços.

Sem dar spoilers, o Season Finale intitulado “Sacrifice” realmente tem seus sacrifícios, traz o caos e deixa Starling City no clima mais tenso até então, causando ainda mais ansiedade para a vindoura – e confirmada – segunda temporada, daqui a longínquos 5 meses. Esse, sem dúvidas, foi mais que uma prova do potencial enorme de Arrow.

Giuseppe Turchetti

Formado em Ciência da Computação, técnico em Informática, analista de suporte, colunista de cinema no jornal Diário de Taubaté e administrador do Censura Geek. Respiro o universo Geek todo o tempo. E ainda não conheço um fã de Batman maior que eu!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *