Iron Man e o fracasso nos vídeo games

Iron Man e o fracasso nos vídeo games

imagemsite

Tony Stark, nosso playboy favorito. Gênio, rico, desperta admiração, derrete corações. Desenvolvedor de uma das armas tecnológicas mais poderosas do universo fictício dos super-heróis, deu origem a alcunha Iron Man, um dos ídolos mais comentados dos últimos tempos. Há como algo dar errado pra esse cara? Infelizmente, há sim. Muito errado. O invencível Homem de Ferro já conquista legiões de fãs há anos, seja com os quadrinhos, filmes ou séries animadas que nunca deixam a desejar. Com os videogames, porém, o bilionário não teve muita sorte.

O personagem é jogável em diversos games da Marvel como Marvel Super Heroes dos arcades de 1995, com versão de PS1 em 1997, Marvel vs Capcom 2 de 2000, Marvel vs. Capcom 3 e Ultimate Marvel vs. Capcom 3 (é o meu lutador favorito nos dois últimos). Ele até mesmo aparece em X-Men Legends 2 e Tony Hawk’s Underground como conteúdo que pode ser desbloqueado, além de um pacote de roupas baseados em seu traje tecnológico estar disponível para download em LittleBigPlanet. Quando o herói protagonizou jogos, porém, houve o fracasso. Os títulos lançados para consoles desapontaram muito com jogabilidade fraca, moldagens de personagens horríveis e enredos pobres de conteúdo. Existem, ainda, vários lançamentos para mobiles que sequer merecem menção. Somente grandes fãs do Homem de Ferro são capazes de jogarem sem soltarem palavrões aos sete ventos. Ainda assim tenho dúvidas. Enfim, conheçam os principais vídeo games que trazem Iron Man como protagonista!

The Invincible Iron Man

Com nove fases e pouca coisa a ser explorada, o game da Activision foi lançado em Dezembro de 2002 com uma versão única para Game Boy Advance. Testei o título com um emulador para a elaboração deste texto, e confesso que não há muito a ser explicitado. A história conta a busca de Tony Stark pelo ladrão de sua armadura. Com um traje extra, o protagonista luta contra inimigos de pouca diversidade com poderes que são os mesmos do início ao fim, ao longo de telas que vão rolando de acordo com o progresso do jogador, no estilo dos antigos jogos de plataforma. A jogabilidade limita-se a tiros e pulos, se assemelhando muito ao Mega Man. Os gráficos imediatamente me fizeram recordar o Super Nintendo, mas possuem uma arte mais trabalhada, com pixels perfeitamente encaixados. A gameplay é bem curtinha, mas para quem gosta de um game old school, The Invincible Iron Man é bastante aceitável.

Iron Man

Supostamente um jogo de ação, o primeiro título foi lançado para PS2, PC, NDS, PSP, Wii, PS3 e Xbox 360. Todas as versões com a mesma qualidade baixa. Com o universo totalmente baseado no primeiro filme, a trama se inicia nos colocando na pele de Tony Stark que foi sequestrado por terroristas para construir armas tecnológicas. Nosso gênio usa os materiais garantidos a ele, porém, para desenvolver uma poderosa armadura robótica, conquistando sua fuga. Tony decide, então, mudar o rumo de sua vida ao adotar o epíteto Iron Man.

Durante as poucas horas de gameplay (cerca de 4 horas) existe o acesso aos poderes já conhecidos de Stark, como mísseis, repulsores e melhoras no traje que podem ser configurados antes de cada missão, tornando a armadura personalizável. Há, ainda, um sistema de voo fielmente baseado no filme: os propulsores apresentam certa dificuldade para serem dominados, a mesma dificuldade que Tony Stark encontra ao experimentá-los na obra cinematográfica. Após aprendermos os controles de voo temos certa diversão, mas não se enganem, é por poucos minutos. As missões tornam-se tediosas e repetitivas ao não apresentarem nenhuma conexão. Tudo o que temos que fazer é voar até o próximo alvo, destruí-lo, voar novamente, destruir… Os inimigos nunca acabam, é o que parece. A cada fase você pode desperdiçar horas aniquilando tanques, aviões e robôs antes de acabar com o alvo principal. Isso não é legal, é torturante e chato. Com cenários e qualidade de som pobres, Iron Man não passou de mais uma adaptação de muito mau gosto. A dublagem ficou por conta de Robert Downey Jr. mas os personagens são tão mal moldados que até mesmo o ator tornou-se um elemento feio no game. Parecia impossível, mas não. Os gráficos são de certa forma bonitos nas plataformas mais avançadas e a customização de armas é agradável, embora não o suficiente para fazerem do jogo menos tedioso, repetitivo e sem graça. Com distribuição da SEGA, Iron Man teve estreia em Maio de 2008 e não conquistou notas maiores do que a média 5.0.

Iron Man 2

Continuando a torturante adaptação do herói aos games, Iron Man 2 estreou em Maio de 2010 com a mesma distribuidora, SEGA, dois anos após o primeiro fracasso. Com promessas de que o título não decepcionaria tanto assim os fãs, o segundo jogo que protagoniza o gênio Stark traz pequenas melhorias e ainda assim foi e é considerado um dos piores games de heróis já produzidos. Felizmente, a história, que é carente de conteúdo, não é totalmente aproveitadora. A trama se inicia logo após o fim do primeiro filme, mas não apresenta nenhuma conexão entre as duas películas a não ser alguns personagens. Organizações como a I.M.A. tramam planos para roubarem Jarvis, e é somente isso o que compõe o enredo, que por vezes se torna confuso mesmo para os admiradores dos filmes. Pelo resto já esperávamos: combates sem sentido e repetitivas.

A mecânica de batalha foi consideravelmente trabalhada, com controles que respondem rapidamente e inteligência artificial mais eficiente. Além do mais, o sistema de customização de armas é melhorado, com mais opções e upgrades para as várias armaduras acessíveis, e War Machine também é jogável. Ainda assim nada foi o suficiente para compensar o aborrecimento de exterminar diversas máquinas, tanques e robôs que nunca demonstram grande poder em batalha. O sistema de voo está pior e mais lento, as texturas são de baixa resolução, cenários sem vida, cenas desprovidas de qualquer beleza visual e o pior: a modelagem de Robert Downey Jr. e dos outros personagens continua feia. O poderio gráfico das plataformas desta geração são usadas de forma extremamente inválida. As vozes de Samuel L. Jackson (Nick Fury) e Don Cheadle (Jim Rhodes, o War Machine) acompanhadas de uma trilha sonora razoavelmente boa formam o único ponto que pode ser considerado positivo. Assim como o título de adaptação anterior, Iron Man 2 é um fracasso com gameplay que não passa de 5 horas. Com versões para Xbox 360, PS3, NDS, PSP, iPhone, iPad e também para celulares, o jogo ficou com nota média 5.0.

Iron Man 3

Com a chegada de Homem de Ferro 3 aos cinemas, a empresa Gameloft anunciou que Iron Man 3 será o jogo oficial do terceiro título cinematográfico, com lançamento no dia 25 de Abril (um dia antes da estreia do filme no Brasil), para iOS e Android.

O trailer me lembrou Subway Surfers e Temple Run, games que possuem a corrida sem paradas como característica principal. Em Iron Man 3, a particularidade fica por conta do voo. Outras similaridades são a coleta de moedas e desvio de obstáculos com o total uso do toque, além da obtenção de equipamentos ao longo do avanço no jogo. O vídeo de anúncio deixa explícita a possibilidade do uso de 18 armaduras diferentes, além de apresentar batalhas frenéticas e gráficos bonitos! Ao que parece, esse será um shooter muito mais divertido do que os títulos lançados para os consoles, mesmo que, na minha opinião, limite-se ao que um aplicativo para passar o tempo no banheiro possa oferecer.

Infelizmente, baixa qualidade é o que podemos esperar de games adaptados dos cinemas. Com o famoso Iron Man não foi diferente. Li pela internet um boato de que a Disney estaria na liderança de um título baseado no terceiro filme. Que a SEGA não se envolverá mais com o Homem de Ferro já sabemos, mas depois de tantas experiências ruins não espero muita coisa de um possível lançamento.

Que venha Iron Man 3! Uma produção que com toda a certeza não deixará rastros de decepção. Estão excitados? Garanto que todos os colaboradores do Censura Geek estão, e muito. Já garantimos nossos ingressos e estamos ansiosos para trazermos novidades. Aguardem!

É isso aí, até a próxima.

Thais Soares

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *