G.I. Joe: Retaliação

G.I. Joe: Retaliação

GI Joe: Retaliation - Dwayne Johnson 

Os conhecidos bonecos Comandos em Ação, da Hasbro, voltam ao cinema com elenco mais durão, ação oitentista e efeitos caprichados para deixarem de lado o primeiro filme – G.I. Joe: A Origem de Cobra (2009) – e a má impressão por ele estampada.

Embora A Origem de Cobra tenha sido uma boa adaptação, lembrando que o produto original é uma coleção de bonecos da década de 80, a maior reclamação do grande público foi quanto ao exagero de humor deslocado e computação gráfica. É certo, também, que a comparação entre os dois títulos é inevitável, e, de certa forma, até favorável neste caso, já que Retaliação supera o antecessor em todos os sentidos.

O diretor Jon M. Chu acrescentou à história dos bonecos um pouco mais de seriedade, criou cenas de ação satisfatórias sem abusar dos efeitos extravagantes, mas também ficou longe da realidade. Entretanto, talvez seja essa não aproximação da realidade, trabalhando conjunta de um roteiro mais sóbrio, responsável por fazer o filme dar certo.  Apesar do plano mirabolante dos vilões e da morte de vários Joes, o enredo é leve, flui bem e não exige esforço para acompanhar a trama. Traz, porém, alívios cômicos na medida, causando risos espontâneos devidos, em partes, pelo carisma dos atores principais Dwayne The Rock Johnson e Bruce Willis.

Além de brigas e explosões, G.I. Joe: Retaliação apresenta diálogos funcionais, que não chegam a ser inteligentes, mas contribuem para a formação da personalidade da obra. O elenco é substancial, The Rock e Willis formam uma bela dupla, tendo um bom apoio dos outros atores. As sequências são bem executadas e dão ao filme o tom de ação dos anos 80, totalmente cabível à adaptação dos brinquedos famosos naquela época. Outro destaque é a trilha sonora que, embora dentro dos padrões do gênero, consegue passar as devidas sensações de empolgação necessárias em cada cena.

Apesar de tantos bons momentos, a geração de hoje se preocupa demais com seriedade e realismo no cinema, o que pode fazer com que Retaliação soe um pouco datado. A impressão que fica durante todo o tempo de exibição é que os desenhos animados de ação de anos atrás tomaram formas humanas e ganharam as telas. Eu mesmo sempre quis ver meus desenhos favoritos ganharem adaptações tão fiéis, mas isso, infelizmente, afunila o número de espectadores satisfeitos ao fim da exibição.

Uma das muito bem orquestradas cenas de ação

Entretenimento e diversão são, sem dúvidas, oferecidos pela produção de G.I. Joe: Retaliação, que pode não ser tão bem vista pelos mais exigentes. Ao mesmo tempo em que vai a favor da tendência hollywoodiana dos roteiros fáceis, navega contra a maré, no bom sentido, trazendo a base oitentista de volta ao foco.

Giuseppe Turchetti

Formado em Ciência da Computação, técnico em Informática, analista de suporte, colunista de cinema no jornal Diário de Taubaté e administrador do Censura Geek. Respiro o universo Geek todo o tempo. E ainda não conheço um fã de Batman maior que eu!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *